Dilma confirma tendência de se cercar de subordinados menos ligados a Lula

    0
    268

    O PT foi confirmado no comando de seis pastas, mas o número deve chegar a 14 ao fim da reforma

    A presidente Dilma Rousseff, que prometeu, em café da manhã com jornalistas na semana passada, concluir a equipe ministerial até ontem, dia 29, fechou mais sete nomes de titulares da Esplanada, mas deixou os 15 restantes para serem confirmados ao longo dos últimos dois dias do ano. Foram anunciados ontem os novos ministros dos Transportes, Antonio Carlos Rodrigues (PR); Integração Nacional, Gilberto Occhi (PP); Secretaria-Geral da Presidência, Miguel Rossetto (PT); Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias (PT); Relações Institucionais, Pepe Vargas (PT); Comunicações, Ricardo Berzoini (PT); e Previdência Social, Carlos Gabas (PT). Dessa forma, o PT confirma o comando de seis pastas, mas o número deve chegar a 14 ao fim da reforma.

    A lista não trouxe surpresas. A presidente acatou as indicações feitas por PP e PR — Gilberto Occhi e Antonio Carlos Rodrigues, respectivamente. No primeiro caso, os pepistas optaram por um técnico, pela dificuldade em escolher um nome do Nordeste para ocupar a pasta. Ficaram com Occhi, filiado ao partido, mas com carreira ligada à Caixa Econômica Federal.

    Já o PR conseguiu dobrar as resistências do Planalto ao fato de que Rodrigues é próximo de Valdemar Costa Neto, condenado no julgamento do mensalão. Pesou a proximidade do novo ministro com o PT. Ele é suplente de Marta Suplicy (PT-SP) no Senado, levou o PR a apoiar a candidatura de Alexandre Padilha (PT) ao governo de São Paulo e defendeu a aliança com Dilma no plano nacional.

    A presidente manteve a disposição original de confrontar a principal tendência petista e nomear Pepe Vargas para a Secretaria de Relações Institucionais, deslocando Ricardo Berzoini para o Ministério das Comunicações. O núcleo de poder palaciano passa a ser formado por petistas mais próximos a Dilma do que a Lula, o que desagradou ao próprio ex-presidente. Formado em medicina, Pepe foi prefeito de Caxias do Sul (RS).

    Dilma ainda confirmou Carlos Gabas como ministro da Previdência, após longa militância como número dois na pasta. Muito próximo à presidente — tanto que ambos já deram voltas de moto, sozinhos, pela noite brasiliense —, Gabas sempre foi encarado como o “espião petista” nas gestões do PMDB na Previdência. Agora, foi galgado ao posto principal. Dilma também trouxe de volta a Brasília Patrus Ananias, depois da longa gestão no Ministério do Desenvolvimento Social, onde foi responsável por lançar e consolidar o Bolsa Família.

     

    Fonte: Correio Braziliense

    DEIXE UMA RESPOSTA

    Please enter your comment!
    Please enter your name here